Month: July 2015

O QUE É ISSO QUE SOBREVOOU SÃO PAULO EM 19 DE JULHO?

Objeto3

Relato: Leonardo Gomes Nogueira e Paulo Arias

Fotos: Paulo Arias

Somente após descartar muitas possibilidades, é que decidimos publicar o relato que segue:

Na madrugada de 19 de julho, por volta das duas da manhã, avistei uma estranha luz no céu da cidade de São Paulo. Em seguida, chamei um amigo (que começou a fotografar o quer que fosse que estivéssemos vendo). Estávamos na casa de outro amigo, no décimo andar de um prédio localizado na Alameda Nothmann (entre as ruas Guaianases e Conselheiro Nébias). Região central de São Paulo.

O apartamento, de fundo, era voltado para o marco zero da cidade (da qual tínhamos uma enorme vista panorâmica que ia do prédio Altino Arantes – antiga sede do extinto Banespa – até, mais ou menos, o Conjunto Nacional da Avenida Paulista, que conseguíamos identificar graças ao enorme relógio em seu topo).

Objeto1

O objeto ficou parado por alguns minutos e começou a se movimentar para a região da Luz-Bom Retiro (em direção à zona norte de São Paulo). Infelizmente, um prédio localizado a nossa esquerda impediu que continuássemos registrando o fenômeno.

Objeto2

Não era um avião. Logo descartamos isso. Pois ele estava baixo demais e ficou parado em alguns instantes. Um avião, como se sabe, não para no ar. Um balão tampouco. Também nunca vimos um helicóptero que tivesse uma luz tão forte. O objeto todo parecia ser luz e apenas luz. A luz tomava a “coisa” por completo.

Objeto3

Encontrei, no YouTube, duas filmagens que teriam sido feitas no mesmo dia (19 de julho). O primeiro vídeo seria de Santo André (cidade da região metropolitana de São Paulo). O segundo, de acordo com o seu autor, teria sido filmado no Cambuci. Bairro localizado entre as regiões central e norte da capital paulista (é importante lembrar: avistamos e fotografamos o fenômeno no centro e, em seguida, ele pareceu se deslocar para o norte da cidade).

Vimos um OVNI? Sem dúvida. Se considerarmos que se trata de um acrônimo para Objeto Voador Não Identificado. Pois não sabemos o que vimos. As imagens originais, aliás, estarão à disposição de quem tiver interesse em analisá-las (basta pedir pelo seguinte e-mail: leogomesnog@gmail.com). As ampliações, até o momento, só aumentaram o mistério.